Subvenções: juiz encerra a fase da instrução. MPF não encontrou contradições nas declarações de Arnaldo.

Arnaldo Bispo e Adelson Barreto negam desvio de recursos.

Com o depoimento do deputado federal Adelson Barreto (PDT) e do ex-deputado estadual Arnaldo Bispo, o juiz Fernando Escrivani Stefaniu encerrou a fase da instrução processual, dando início às considerações finais que devem ser feitas pela Procuradoria Regional Eleitoral e pelos advogados de defesa habilitados no processo no qual os 24 deputados que exerceram mandatos na Assembleia Legislativa no ano passado figuram como réus.

Tanto o deputado Adelson Barreto quanto o ex-parlamentar Arnaldo Bispo negaram envolvimento em esquema fraudulento para desviar os recursos públicos. Eles respondem a processo na justiça eleitoral por conduta vedada pelo fato de ter distribuído verbas públicas em ano eleitoral.

Arnaldo bispo . Sem contradições

Arnaldo bispo . Sem contradições

O deputado federal Adelson Barreto criticou o vereador Antonio Arimatéia, de Capela, que abriu o verbo e denunciou o parlamentar federal por supostamente ter articulado os saques das verbas destinadas à Sociedade Musical Lira Nossa Senhora da Purificação de Capela, que foram feitos pelo vereador. Adelson Barreto considerou que o vereador teria agido de má fé ao denunciar o suposto esquema fraudulento e negou ter recebido o dinheiro de volta em troca de apoio político.

O deputado federal fez o desafio ao vereador para provar o que denunciou e revelou que as entidades indicadas por ele foram selecionadas por mérito, que a Sociedade Musical de Capela teria encaminhado projetos e fotos para comprovar a necessidade das verbas para a realização das reformas pretendidas pela direção da entidade e revelou que desconhece os dirigentes de todas as entidades que ele injetou recursos públicos.

 Mas a versão de Adelson Barreto não convenceu os procuradores regionais eleitorais. A procuradora Eunice Dantas informou que ainda fará análise do depoimento do deputado Adelson Barreto, mas adiantou que há contradições entre a versão do parlamentar federal e as provas que estão contidas nos autos. Quanto ao depoimento do ex-deputado Arnaldo Bispo, a procuradora regional eleitoral não detectou contradições, mas o depoimento ainda será analisado para que o Ministério Público Federal se posicione nas considerações finais.

Juiz encerra instrução

O juiz Escrivani Stefaniu confirmou a intenção de concluir o relatório ainda neste ano e observou que o desmembramento não prejudicará o andamento do processo.

Fonte: INFONET/  texto e foto Cássia Santana

Deixe uma resposta